segunda-feira, 8 de junho de 2009

BTT - 2º BioMaratona Rota dos Esteiros

Uma nova actividade: 50 km em BTT. O evento era a BioMaratona BTT, organizada por uma associação desportiva de Estarreja - Os Trepa.

Foi a primeira prova que alguma vez participei e foi suficiente para ficar cliente para sempre. Foi fácil especialmente por não ter nenhum declive e por decorrer nas bonitas paisagens da ria de Aveiro.

Também foi a prova de estreia da minha bicicleta de 2 anos e meio. Ela nunca conheceu terra, lama, areia e mato, até este dia. No fim não me deixou ficar mal e portou-se bem! Basta uma lavadela para ficar como nova.

Mesmo assim deixo algumas notas já para o próximo ano:
  • Verificar a pressão dos pneus - Este era básico! Antes de começar a prova dei uma vista de olhos aos pneus da bicicleta e tinham bom aspecto (de estar cheínhos). Começou a prova e ao fim de um 1km estava a ser ultrapassado por todos. Devia estar mesmo em má forma física. Este ritmo deprimente continuou durante as horas seguintes. Estranhei foi quando chegava às raras secções de piso solto de areia. Reencontrava os adversários a pé e a arrastar a bicicleta enquanto os ultrapassava. A explicação foi logo evidente nesse momento, pressão nos pneus mais baixa. Ajuda nesse tipo de piso, mas é um martírio nos restantes 99% de trilhos da prova.
Areia
  • Mochila com ferramentas básicas - Estava a meio da prova, em percursos perdidos no meio do nada e sem ninguém por perto, quando me lembrei que bastava um furo, e tinha que arrastar a bicicleta à mão uma dezena de quilómetros. Não custa nada levar uma câmara de ar suplementar e respectiva bomba de ar. Felizmente nada aconteceu.
  • Óculos - Antes da prova choveu e o tempo continuava encoberto. Decidi deixar os óculos de Sol no carro. GRANDE ERRO! Ao fim de 5 minutos, mal saímos do alcatrão e entramos no primeiro trilho, todo o pelotão entra num lamaçal e ... deixei de ver! Os pneus das bicicletas projectaram para o ar todo o tipo de detritos (areia, gravilha, lama e bosta de vaca), que facilmente chegaram aos olhos.
Lama
  • Reabastecimento - Havia uma zona de reabastecimento ao fim de 20km. A organização providenciava água, bananas, laranjas, chocolates KitKat e copos de gelatina. E foi à base destes todos cinco ingredientes que fiz um "pequeno" piquenique, de 20 minutos, enquanto todos os participante paravam e partiam em 20 segundos. Exagerei na comida porque depois senti-me cheio.
  • Lavagem e transporte - Quando finalmente cheguei, a bicicleta devia pesar mais um quilo, tal era a quantidade de lama, encrostada no quadro. Estava em tal mau estado que havia mudanças constantemente a saltar de carretos. Felizmente a organização providenciou uma zona de lavagem das "biclas" a qual esperei em fila pela minha vez. Depois de passar rapidamente uma mangueirada à pressão, estava com melhor aspecto e guardei-a dentro do carro. No dia seguinte entrei no carro para a levar ao mecânico para afinar. O carro cheirava a "bosta"! Ou devia a ter lavado melhor (à escova), ou era altura de comprar os suportes para cima do carro, como todos os outros que estavam no parque de estacionamento.

  • Calções - Não levei calções "com pensos" típicos de ciclismo. Não me lembro de querer estar sentado no resto do dia ;)

Actualização: Algumas fotos do evento que encontrei na web: